Powered by free wordpress themes

Powered by share market tutorial

domingo , 17 outubro 2021
Home / Destaque / ‘Morreu porque trabalhava por dois ou três’, diz presidente de sindicato sobre morte de delegado

Powered by free wordpress themes

‘Morreu porque trabalhava por dois ou três’, diz presidente de sindicato sobre morte de delegado

O delegado da Polícia Civil que morreu em um acidente na noite desta quinta-feira (30) estava indo para um plantão na cidade de Fernandópolis (SP), após trabalhar durante o dia na delegacia de São José do Rio Preto (SP). O corpo dele será enterrado nesta sexta-feira (31), no cemitério Jardim da Paz.
A presidente do Sindicato Estadual dos Delegados, Raquel Gallinati, veio para o velório. A categoria reivindica junto ao Estado de São Paulo a contratação de mais delegados, para evitar a sobrecarga de trabalho.
“Um colega de polícia morreu na estrada por estar trabalhando por dois ou três delegados. Queremos uma providência urgente do governador do Estado de São Paulo”, diz a presidente.
Em nota, a Secretaria de Segurança Pública disse que desde 2011 foram contratados 124 policiais civis para a região de Rio Preto e estão em curso na Acadepol outros 442 policiais civis, sendo 80 deles delegados, que serão distribuídos para todo o Estado.
O delegado Davi Ferreira da Rocha trabalhava no distrito policial da região norte de Rio Preto e também era responsável por outras delegacias da região de Fernandópolis. Nesta quinta-feira, o delegado tinha que cumprir jornada dupla.
Segundo a família, ele trabalhou durante o dia em Rio Preto e à noite quando seguia para Fernandópolis bateu na traseira de um caminhão. Amigos, parentes, e colegas da polícia estiveram no velório no cemitério Jardim da Paz. O corpo do delegado foi velado na capela ecumênica. O acidente aconteceu na rodovia Euclides da Cunha, perto de Cosmorama. G1

Sobre Gazeta Votuporanga

Além disso, verifique

Superintendente da Saev visita obra de desassoreamento de represa em Fernandópolis

Nesta semana, o superintendente da Saev Ambiental, Antônio Alberto Casali e o engenheiro Gabriel Alves …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − três =