Powered by free wordpress themes

Powered by share market tutorial

sábado , 25 junho 2022
Home / Coluna Social / ‘Moonlight’ é escolhido melhor filme do Oscar 2017, após confusão com os apresentadores

Powered by free wordpress themes

‘Moonlight’ é escolhido melhor filme do Oscar 2017, após confusão com os apresentadores

EUA – Moonlight” foi escolhido melhor filme do Oscar após confusão com os apresentadores Faye Dunaway e Warren Beatty, que anunciaram o vencedor errado. Os atores apresentavam a categoria final, neste domingo (26), e disseram que “La La Land” havia levado a estatueta, após erro da organização do evento.

A equipe subiu ao palco para receber o prêmio. Após 2 minutos e 23 segundos, foi informada do erro e esclareceu que o vencedor era “Moonlight”. Beatty e Faye estavam, na verdade, com o envelope da vencedora de Melhor Atriz (Emma Stone, de “La La Land”).

Ao abrir o envelope, Beatty ficou olhando para o papel com o nome do vencedor, como se algo estivesse errado. Ele ficou 20 segundos sem saber o que fazer: a plateia pensou que era uma brincadeira. Até deu risada. O ator de 79 anos é conhecido pelo bom humor.

Então, Faye pegou o papel da mão do ator e leu: “La La Land”. Foi quando a equipe do filme se abraçou e foi receber a estatueta. Os produtores (Fred Berger, Jordan Horowitz e Marc Platt) discurssaram, mas foram avisados da confusão. “Há um erro, ‘Moonlight’, caras, vocês ganharam melhor filme. Isso não é uma brincadeira, acho que eles leram a coisa errada”, disse Horowitz.

“Moonlight” levou ainda a estatueta de roteiro adaptado e de ator coadjuvante, para Mahershala Ali. “La La Land: Cantando Estações” ganhou seis prêmios: atriz, diretor, música original, trilha sonora, fotografia e design de produção. Damien Chazelle se tornou o mais jovem a ganhar como diretor. Casey Affleck levou o Oscar de ator por “Manchester à Beira-mar”, filme que ganhou também a estatueta de roteiro original.

Moonlight
“Moonlight: Sob a luz do luar” se tornou o Melhor Filme do Oscar neste ano ao narrar o crescimento de um garoto negro na periferia de Miami, nos Estados Unidos, que enfrenta desafios relacionados a sua raça e sexualidade. Mesmo sem estrelas e com uma narrativa simples e direta, o filme independente escrito e dirigido por Barry Jenkins foi colecionando prêmios e elogios.
A vitória mostrou também uma nova mentalidade da Academia de Artes e Ciência Cinematográficas de Hollywood, após a péssima repercussão da campanha #OscarSoWhite (#OscarMuitoBranco), que criticava a ausência de artistas negros no Oscar de 2016. Neste ano, a premiação bateu o recorde com o maior número de negros indicados: 20.
Coadjuvantes: discursos poderosos
Favoritíssimos, Viola Davis (“Um limite entre nós”) e Mahershala Ali (“Moonlight: Sob a luz do luar”) ganharam como coajuvantes. Fizeram discursos poderosos e emocionados.
“Quando me perguntam que papéis eu quero interpretar, eu digo ‘dessas pessoas que não sabem o que é poder sonhar, poder atingir seus sonhos'”, disse a atriz. “Viola Davis foi indicada a um Emmy por esse discurso”, brincou o apresentador Jimmy Kimmel.

Sobre Gazeta

Além disso, verifique

Polícia Federal prende procurado pela justiça em Votuporanga

Estrangeiro foi capturado com colaboração da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal). Ele era procurado …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

nove + dezessete =