Powered by free wordpress themes

Powered by share market tutorial

quarta-feira , 7 outubro 2020
Home / Destaque / Terapeuta ocupacional do SanSaúde explica sobre o autismo

Powered by free wordpress themes

Terapeuta ocupacional do SanSaúde explica sobre o autismo

Cada criança é uma. E isso a faz especial. A frase pode parecer simples, mas é vital para entender o autismo. Se o seu filho receber o diagnóstico, não necessariamente vai apresentar todos os sintomas já descritos por outros pacientes. Por ser um distúrbio com diferentes níveis de comprometimento, são várias nuances como um dégradé.

O Transtorno do Espectro Autista, também conhecido como TEA, é um transtorno do neurodesenvolvimento cujas características podem ser observadas na primeira infância, sendo uma condição que é vista também como síndrome comportamental, que combina fatores genéticos e ambientais. “São observados: interação social comprometida, comunicação deficitária (ausência de linguagem verbal) e comportamento marcado por estereotipias, interesse restrito e preocupação com partes de objetos, rotinas invariavelmente rígidas”, explicou a terapeuta ocupacional do SanSaúde, Daiane Alves.

Daiane explicou que cerca de 20 entre cada 10 mil nascidos são autistas, fator quatro vezes mais comum no sexo masculino. “O diagnóstico é clínico, feito por profissionais especializados, por meio da observação da criança e conversa com os pais e familiares. No primeiro ano de vida, é possível detectar alguns sinais. O médico se baseará no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V). Não existem exames de laboratório que confirme o TEA”, disse.

Neste primeiro momento, a terapeuta ocupacional já faz parte do tratamento, ajudando o paciente a desenvolver habilidades relacionadas às atividades diárias, ao aprendizado e ao brincar.  “As intervenções visam melhorar a qualidade de vida da criança e estimular a sua independência, com foco na higiene e cuidado pessoal”, destacou.

Como a terapia é aplicada?

Daiane contou que a terapia promove construção de habilidades de leitura e escrita, coordenação motora fina e global, consciência corporal, usando a abordagem da integração sensorial (sentidos) na sala específica, onde é composta por equipamentos suspensos para realizar movimentos que ativam os sistemas sensoriais.

Inclusão social

Ela enfatizou que o terapeuta ocupacional atua na saúde-educação, contribuindo neste contexto. “Realizamos orientações aos familiares, ressaltando a real importância da inclusão social, orientando a equipe escolar sobre questões específicas da criança, compreendendo as limitações, habilidades e as possibilidades de adaptações e flexibilização. Visamos sempre uma parceria entre terapeuta – família – unidade educacional, com foco exclusivo no progresso do paciente”, frisou.

Benefícios

A profissional ressaltou melhoras na comunicação, além de reduzir sintomas de estereotipias promovendo mais qualidade na interação social. “Buscamos tornar cada vez mais funcionais, reduzindo comportamentos inadequados, o desenvolvendo mais independente possível, de acordo com seu potencial”, finalizou.

 

Fonte: Santa Casa de Votuporanga

Sobre Gazeta Votuporanga

Além disso, verifique

Prefeitura inicia série de reportagens em homenagem ao Dia do Professor

Em comemoração ao Dia do Professor, celebrado no dia 15 de outubro, a Prefeitura de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + dezoito =