Powered by free wordpress themes

Powered by share market tutorial

terça-feira , 18 agosto 2020
Home / Últimas Notícias / ‘Poeira de açúcar’ invade casas e incomoda moradores de Santa Adélia

Powered by free wordpress themes

‘Poeira de açúcar’ invade casas e incomoda moradores de Santa Adélia

Moradores de Santa Adélia (SP) estão sofrendo transtornos por conta de uma poeira de açúcar que invade as casas. Segundo eles, o produto sai de um galpão e de caminhões utilizados para transportar o açúcar produzido na região noroeste paulista.

A faxineira Diva Perpétua Malavezzi, que mora na frente do galpão, diz que não aguenta mais limpar o quintal e seu imóvel. “Eu acabei de lavar, mas você pisa e já está tudo sujo novamente. Não tem condições”, afirma.

Outra moradora que sofre com a situação é vendedora Maria Júlia Marcondes. Mesmo deixando as portas e janelas fechadas, muita sujeira se acumula na casa onde ela mora.

“Não pode nem abrir para tomar um ar. Nesse calor ainda. Muita poeira de açúcar. O céu fica branco. Às vezes, você respira e sente gosto de açúcar”, diz.

O armazém de onde sai todo o açúcar ficou nacionalmente conhecido em 2013. O Porto Seco que na época armazenava mais de 30 toneladas do produto foi atingido por um incêndio.

As chamas derreteram toda a estrutura metálica de um dos galpões e fizeram o açúcar se transformar em caramelo. O líquido se espalhou pelas ruas, invadiu casas e chegou até o rio São Domingos, matando 13 toneladas de peixes.

Na época, a empresa foi multada em R$ 15 milhões pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). No começo deste ano, a Justiça negou pedido para cancelar a multa.

Por causa do episódio, muitos moradores da rua que fica ao lado do Porto Seco mudaram de endereço. Ele chegou a ficar seis anos inativo, mas voltou a operar no ano passado.

Malefícios à saúde

 

Segundo o pneumologista Rafael Mussolini, a inalação das partículas de açúcar pode ser prejudicial à saúde dos moradores. “Podem surgir quadros alérgicos, tosse, crise de rinite, asma, até problemas mais sérios”, explica.

Os moradores dizem que já reclamaram para a prefeitura e diretamente para a empresa, mas nada foi feito. Enquanto isso, eles convivem diariamente com o problema.

TV TEM entrou em contato com a empresa que é responsável pelo Porto Seco, mas não obteve retorno. A Cetesb disse que não recebeu nenhuma reclamação, mas vai fazer uma vistoria para ver quais medidas tomar.

Fonte: G1

Sobre Gazeta Votuporanga

Além disso, verifique

Há 120 dias fechado, Sesc Rio Preto lança exposição digital de artes visuais

Desde o mês de maio, o Sesc Rio Preto lança semanalmente uma programação digital em suas redes sociais. As …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 5 =