Powered by free wordpress themes

Powered by share market tutorial

quinta-feira , 2 abril 2020
Home / Destaque / Caminhoneiros protestam em frente a central de distribuição de combustíveis em Rio Preto

Powered by free wordpress themes

Caminhoneiros protestam em frente a central de distribuição de combustíveis em Rio Preto

Rio Preto – Caminhoneiros que participam do protesto nacional da categoria bloquearam na manhã desta quinta-feira (24) o acesso e a saída de caminhões-tanque de uma base de distribuição de combustíveis na Avenida Cenobelino de Barro Serra, em São José do Rio Preto (SP).

A informação foi confirmada por um gerente da unidade. Desde às 22h des quarta-feira (23), os motoristas estão impedidos de sair para distribuir combustíveis nos postos de Rio Preto e cidades da região.

Com faixas, 90 motoristas pedem a paralisação total dos caminhoneiros. Ainda não há informações de quantos veículos estão sendo impedidos de realizar o transporte de combustíveis. A Polícia Militar chegou ao local para acompanhar a manifestação.

Falta combustível

O protesto dos caminhoneiros está mexendo com a rotina de várias cidades do noroeste paulista. Está faltando combustível em postos nas cidades de Ariranha (SP), Olímpia (SP), Tabapuã (SP), Severínia (SP), e Mirandópolis (SP).

Os estabelecimentos que ainda têm combustíveis apresentaram longas filas a partir do fim da tarde desta quarta-feira (23). A Central de Distribuição de Combustíveis de Rio Preto é responsável pela entrega dos combustíveis para postos de Rio Preto e também de outras cidades do entorno. Segundo o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo (Sincopetro) de São José do Rio Preto (SP), Roberto Uehara, a previsão é que o etanol seja o primeiro combustível que falte nos postos de combustíveis porque o produto sai das usinas e é encaminhado diretamente aos pontos de venda.

Ceagesp

Caminhoneiros fecharam na manhã desta quarta-feira (24) a entrada da Ceagesp em São José do Rio Preto (SP), no Distrito Industrial. A Polícia Militar foi chamada e por enquanto a manifestação é pacífica, mas nenhum caminhão entra na Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo.

Segundo um fiscal do local, os produtos que estão lá dentro irão ser distribuídos. No entanto, nesta sexta-feira (25), existe o risco de estar tudo parado. Ainda segundo o fiscal, houve um aumento exorbitante nos preços. Um saco de batata que custava R$ 70 chegou a atingir R$ 200.

Sobre Gazeta Votuporanga

Além disso, verifique

Meidão pede informações sobre medidas protetivas de funcionários da empresa Vikstar

O presidente da Câmara Municipal de Votuporanga – vereador Mehde Meidão Slaiman Kanso encaminhou um …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − um =